Acerca da Minha Terra
Área de Associados

ClimAdaPT.Local, Projeto encerrado, Rede posta

2017-02-17

O que une os municípios de Amarante, Barreiro, Braga, Bragança, Castelo Branco, Castelo de Vide, Coruche, Évora, Ferreira do Alentejo, Figueira da Foz, Funchal, Guimarães, Ílhavo, Leiria, Lisboa, Loulé, Montalegre, Odemira, Porto, São João da Pesqueira, Seia, Tomar, Tondela, Torres Vedras, Viana do Castelo e Vila Franca do Campo? Um projeto: o ClimAdaPT.Local. Um compromisso: a adaptação às alterações climáticas. Uma estratégia: a chamada estratégia municipal de adaptação às alterações climáticas.

O ClimAdaPT.Local, projeto pioneiro para a adaptação local às alterações climáticas fechou no passado dia 9 de dezembro. Integrado no Programa AdaPT, gerido pela Agência Portuguesa do Ambiente, enquanto gestora do Fundo Português de Carbono (FPC), o ClimAdaPT.Local dispôs, durante quase dois anos, de uma verba de 1,5 milhões de euros, co-financiada a 85% pelo EEA Grants (Islândia, Liechtenstein e Noruega) e a 15% pelo FPC.

I12916-IMAGEM1.JPG

O saldo foi positivo. O consórcio responsável pelo projeto, sob a coordenação do centro de investigação CCIAM/CE3C da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, envolveu no terreno 26 municípios portugueses e 52 técnicos municipais na elaboração de 26 Estratégias Municipais de Adaptação às Alterações Climáticas (EMAAC). Mas os ideólogos do ClimAdaPT.Local queriam ir mais longe nesta missão ambiental contra o relógio que não se coaduna com prazos de projeto. E, de facto, a rede já criou émulos, estendendo-se aos municípios de Almada, Cascais e Sintra, parceiros do ClimAdaPT.Local, e ao município de Mafra, que tem estado a preparar a sua EMAAC beneficiando das metodologias definidas no projeto.

Assim, nasceu no seminário de encerramento a Rede Nacional de Municípios para Adaptação às Alterações Climáticas com vista à continuação da dinamização deste movimento que pretende aumentar a capacidade dos municípios portugueses para incorporar a adaptação às alterações climáticas nas respetivas políticas, instrumentos de planeamento e intervenções locais. E para que não restasse qualquer dúvida quanto à intenção dos municípios, os 30 membros da Rede assinaram uma Carta de Compromisso que os obriga a contribuir ativamente para a concretização da missão e objetivos da Rede e a promover a adaptação nos seus concelhos.

Para mais informações, consultar em http://climadapt-local.pt/

 

Cooperação LEADER

COOPLEADER.JPG

Edição da DGADR e Minha Terra, publicada no âmbito do projeto Territórios em Rede II, com o apoio do Programa para a Rede Rural Nacional.

Terra Viva

 

 I16-MTX1.JPG

O programa “Terra Viva”, emitido pela TSF em 2011 e em 2014, reforça a aposta de comunicação da MINHA TERRA, divulgando e promovendo iniciativas de desenvolvimento local, em meio rural.

 

Territórios em Rede

TR07MAI2013.JPG

Territórios em Rede é a revista da Cooperação LEADER, editada no âmbito do projeto Territórios Rurais em Rede - financiado pelo Programa para a Rede Rural Nacional.

3 Projetos LEADER

3PROJETOSLEADER0910.JPG

A publicação “3 Projetos LEADER” dá a conhecer projetos apoiados no âmbito daAbordagem LEADER nos Programas de Desenvolvimento Rural do Continente (PRODER), Açores (PRORURAL) e Madeira (PRODERAM). 





Newsletter

Portal LEADER 2020

 I17-IMAGEM5.JPG

Com o apoio do FEADER

Pessoas e Lugares

I1-PL18JUN2015.JPG

O jornal Pessoas e Lugares é um projeto editorial e de comunicação da MINHA TERRA dedicado ao LEADER.

Minha Terra no Facebook

I5-I5-FB.JPG

Bolsa de Terras

I8-BOLSAXTERRAS.JPG

A Federação Minha Terra e 35 ADL associadas parceiras estão autorizadas para a prática de atos de gestão operacional (GeOP) da Bolsa de Terras.

Receitas e Sabores dos Territórios Rurais

 

 I15-LIVROX7MG.JPG 

O livro “Receitas e Sabores dos Territórios Rurais”, editado pela Federação Minha Terra, compila e ilustra 245 receitas da gastronomia local de 40 territórios rurais, do Entre Douro e Minho ao Algarve.





SICLIK.COM.S8V2.MINHATERRA.PT.4